seta
Prognum Informática

Informações relevantes do mercado do Crédito Imobiliário

Notícias - Outubro de 2021

SCCI Corp 9.24: SCCI Web está mais responsivo com migração para a tecnologia React

Migração do Controle de Pagamento da Seguradora para o Corp Web é outra novidade importante da nova versão

A versão 9.24 do Sistema de Controle de Crédito Imobiliário (SCCI Corp) traz uma implementação muito importante, que facilita ainda mais a utilização pelo cliente final. A partir desta versão, com distribuição em 5 de outubro, o SCCI Web migrou para a tecnologia React, o que oferece, entre outros ganhos, um sistema muito mais responsivo. O leiaute também foi modificado, ficando mais moderno, mais bonito e mais amigável, tornando a ferramenta ainda mais fácil de ser utilizada.

“Por meio da tecnologia React, o sistema ficou muito mais responsivo. Isso significa que o sistema ajusta instantaneamente seu laiaute e suas funcionalidades ao dispositivo através do qual está sendo acessado, seja um computador desktop, um tablet ou um celular, garantindo muito mais mobilidade à gestão e à operação do negócio, simplificando a rotina do gestor e da equipe e, principalmente, do cliente, já que hoje a maioria dos acessos se dá pelo celular. Nosso objetivo foi permitir ao usuário final uma maior usabilidade do sistema”, explica o Diretor-Técnico da Prognum Informática, Marcus Marques da Rocha. Segundo ele, a Prognum Informática aproveitou, também, para reforçar ainda mais a segurança da ferramenta. Por meio do SCCI Web, o usuário poderá, dentre outros serviços, consultar pagamentos, saldos, amortizações e emitir a segunda via do boleto.

Outra novidade da versão 9.24 é a migração do Controle de Pagamento da Seguradora para o Corp Web. A partir desta versão, o Corp Web passa a dispor desta funcionalidade, que apura e controla as eventuais diferenças de valores recebidos das seguradoras. Todos os recebimentos extras da seguradora, além do próprio sinistro em si, são registrados e geridos por esta funcionalidade.

Publicado em 01/10/2021

Prognum Informática conquista seu 49º cliente: Unicred

Cooperativa, presente em 14 estados brasileiros e com mais de 240 mil cooperados, contrata o SCCI Corp para fazer a gestão de financiamentos imobiliários

Criado há 32 anos para oferecer um atendimento qualificado e uma assessoria financeira diferenciada, o Sistema Unicred reúne, hoje, 34 cooperativas, cerca de 291 unidades de negócios, está presente em 14 estados brasileiros e contabiliza mais de 240 mil cooperados, quatro Unicreds centrais e uma confederação nacional, com unidades em São Paulo e Porto Alegre. Para todos os seus cooperados, a Unicred oferece as melhores taxas em aplicações, empréstimos e financiamentos. Para fazer a originação e a gestão do financiamento de imóveis para seus cooperados, a Unicred acaba de contratar o Sistema de Controle de Crédito Imobiliário da Prognum Informática, o SCCI Corp, tornando-se o nosso 49º cliente. A Unicred passa a utilizar, portanto, o melhor, mais completo e produtivo sistema de controle de crédito imobiliário do mercado, oferecendo, assim, muito mais para os seus clientes.

Publicado em 01/10/2021

Prognum firma convênio com o Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) na área de estágio

O IFRJ indicará estagiários, que poderão ser efetivados ao final do contrato

A Prognum Informática e o Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) firmaram convênio para fornecimento de estagiários. O campus de Niterói da IFRJ será responsável por indicar os alunos dos cursos de ensino médio técnico nas áreas de Administração e Informática para estagiar na Prognum Informática.

- Os alunos precisam muito ir além dos muros da escola. Precisam buscar boas experiências além das paredes da sala de aula, precisam de bons estágios, onde possam consolidar tudo o que aprenderam conosco. Este convênio com a Prognum Informática é excelente, um ótimo caminho para eles. Vamos entender a demanda da empresa e a partir daí selecionar os alunos por meio de processo seletivo interno. É a IFRJ que indicará os alunos para as vagas de estágio disponíveis – explica Juliana Benício, professora do campus de Niterói e Coordenadora de Transferência de Tecnologia e de Propriedade Intelectual da instituição.

O IFRJ oferece cursos de ensino médio técnico, graduação e pós-graduação em 15 cidades do estado, entre os quais Rio de Janeiro, Niterói, Resende, Duque de Caxias e São João de Meriti, e contabiliza mais de 10 mil alunos. No campus de Niterói, responsável pelo convênio, há cursos de ensino médio técnico e pós-graduação e em torno de mil alunos.

- Entendemos que a IFRJ oferece uma formação única no mercado. Nossos alunos são extremamente bem capacitados, a infraestrutura é exemplar e o time de professores é do mais alto nível. Nosso ensino médio técnico tem uma formação de excelência, humanista, única e diferenciada, e por isso poderemos oferecer estagiários de excelente nível. Será uma troca muito proveitosa – finaliza ela.

Publicado em 01/10/2021

Caixa anuncia redução dos juros do financiamento habitacional

Na contramão dos bancos privados, Caixa reduz juros para 2,95% ao ano, mais o rendimento da caderneta de poupança

Enquanto os bancos privados reajustam suas linhas de financiamento da casa própria, por conta da alta da Selic, a Caixa vai na contramão da concorrência e anunciou a redução dos juros do financiamento habitacional, na linha atrelada à poupança. A taxa, que era de 3,95%, mais o rendimento da caderneta de poupança, foi reduzida para 2,95% ao ano.

O Presidente da Caixa, Pedro Guimarães, já havia anunciado que o banco reduziria a taxa de juros, mas a redução ficou restrita a linha de financiamento atrelada à poupança, a de menor risco para a instituição. Santander, Banco do Brasil e Itaú anunciaram recentemente a elevação dos juros de suas linhas tradicionais de crédito imobiliário.

Guimarães recebeu críticas por reduzir os juros em um momento de alta da Selic, mas pontuou que a Caixa tem mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos, que remuneram pela Selic. “Quanto maior a Selic, maior o meu ganho. Por causa disso, nós vamos reduzir o spread (diferença entre o custo de captação e o cobrado do tomador na ponta), especificamente na linha de poupança. Ninguém aqui vai querer dar canetada até porque os executivos da Caixa são muito bons” disse ele, ao jornal O Globo.

Para o Presidente do Conselho da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Rubens Menin, o anúncio da Caixa é uma sinalização para o mercado. “Essa queda na taxa da modalidade da poupança vai ajudar a segurar. É uma sinalização importante para o mercado. A economia vive de otimismo, de mensagens positivas”, disse ele, ao O Globo.

Pedro Guimarães anunciou que a carteira habitacional da Caixa chegou a  R$ 534,6 bilhões, com cerca de 5,8 milhões de contratos. Segundo ele, isso significa um crescimento de 20,4% em comparação a 2018. Em agosto, o volume contratado com novas operações alcançou R$ 14 bilhões, sendo R$ 9 bilhões com recursos da poupança.

Publicado em 01/10/2021

Banco Inter lança linha de financiamento para construção de casa em condomínio fechado

A linha tem taxa de juros de 9% ao ano e prazo de até 360 meses

O banco Inter anunciou o lançamento de uma linha de crédito exclusiva para a construção de casas em condomínios fechados. A linha de crédito tem taxa de juros de 9% ao ano e prazo de até 360 meses para quitação do financiamento. A parcela não pode ficar maior do que 30% da renda do consumidor e o terreno onde será construída a casa precisa estar devidamente quitado, pois será utilizado como garantia pelo empréstimo. Segundo o Inter, a nova linha de crédito poderá ser direcionada aos clientes da Urba, empresa de loteamentos da família Menin, fundadora do banco. O banco anunciou que, em um segundo momento, poderá ampliar a linha para clientes de loteamentos abertos e que pretende, também, lançar uma linha específica para a aquisição de terrenos.

Publicado em 01/10/2021

Financiamentos da casa própria com recursos do SBPE chegam a R$ 21 bi em agosto

Segundo a Abecip, montante é 11,8% maior do que o registrado em julho

Em agosto, os financiamentos imobiliários com recursos das cadernetas do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) chegaram a R$ 21,01 bilhões. Esse montante é 11,8% maior que o registrado em julho e, comparado a agosto do ano passado (R$ 11,72 bilhões), cresceu 79,2%, segundo a Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) “Nos primeiros oito meses de 2021, o montante financiado somou R$ 136,84 bilhões, alta de 107,7% em relação a igual período de 2020. No acumulado de 12 meses, entre setembro de 2020 e agosto de 2021, foram contratados R$ 194,92 bilhões, alta de 100% em relação ao período anterior. Foram financiados em agosto de 2021, nas modalidades de aquisição e construção, 90,3 mil imóveis, resultado 11,3% superior ao de julho. Comparado a agosto de 2020, observou-se alta de 128,6%. No ano, entre janeiro e agosto de 2021 foram financiados, com recursos da poupança do SBPE, 589,42 mil imóveis, resultado 148,7% superior ao de igual período do ano passado. No período de 12 meses, entre setembro de 2020 e agosto de 2021, foram financiados com recursos da poupança 779,17 mil imóveis, resultado 119,8% superior ao do período precedente (354,47 mil unidades)”, informou a Abecip, por meio de nota.

Publicado em 01/10/2021

Crescimento online do mercado imobiliário em junho foi de 402%, em relação ao mesmo mês no ano passado

Em maio, o crescimento foi de 502%, segundo a Criteo, especialista em Commerce Media.

Segundo levantamento da Criteo, especialista em Commerce Media, que analisou as transações online no país nesse período a partir de interações orgânicas, o mercado imobiliário no Brasil cresceu nada menos do que 402% em junho, e comparado ao mesmo mês em 2020. Quando o mês analisado é maio, o crescimento é ainda maior: 502%.

O mercado imobiliário precisou adotar novas estratégias para chegar ao consumidor durante a pandemia, e a presença online foi intensificada. A Quinta Andar, por exemplo, informa que no início deste ano aumentos seus investimentos em marketing digital em 150%. O Grupo Zap, por sua vez, relata ter crescido 158% nas pesquisas de propriedades com passeios virtuais. O número de anúncios de tours virtuais cresceu 51% de maio a julho.

“De parcerias com influenciadores a conteúdo em diferentes plataformas e canais de mídia social, elas têm conseguido aumentar o engajamento e gerar valor. Principalmente agora que os consumidores precisam de uma forma mais simples e rápida de verificar se o imóvel é o que procuram”, diz o Diretor Geral da Criteo, Tiago Cardoso.

Publicado em 01/10/2021

Taxas de juros menores para o programa Casa Verde e Amarela em 2022

As taxas de juros para duas faixas de renda cairão em 0,5 ponto percentual

O Governo Federal anunciou novas regras para o programa Casa Verde e Amarela, que passam a vigorar em 2022. O governo reduzirá temporariamente, até o final de 2022, as taxas de juros para duas faixas de renda em 0,5 ponto percentual. Para efeito de comparação, a taxa de juros média em financiamentos imobiliários no Brasil é de 7,5%, segundo o BC. Quem recolheu FGTS por pelo menos três anos pode contratar na modalidade cotista do FGTS, usando o saldo no fundo para abater parte do financiamento. A redução nos juros vale por todo o contrato de financiamento, que pode ser de até 30 anos.

Segundo cálculos da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), a redução de 0,5 ponto percentual permitirá, por exemplo, que uma família com renda mensal de R$ 5.000 compre um imóvel de até R$ 240 mil com parcela mensal de R$ 1.438, ao longo de 30 anos de financiamento. Nesse caso, a prestação cai 4,3%. Sem a redução de juros, ela seria de R$ 1.503.

Publicado em 01/10/2021

Governo Federal reajusta em 10% teto do valor do imóvel financiado pelo programa Casa Verde e Amarela

No Rio e em São Paulo, valor passou de R$ 240 mil para R$ 264 mil

O Governo Federal anunciou um reajuste de 10% no teto do valor do imóvel financiado pelo programa Casa Verde e Amarela. O Conselho Curador do FGTS aprovou o reajuste em 13 de setembro, atendendo a um pedido do setor da construção civil. No Rio de Janeiro e em São Paulo, o valor máximo do imóvel passou de R$ 240 mil para R$ 264 mil. Nas demais capitais consideradas metrópoles, o valor do imóvel vai passar de R$ 190 mil para R$ 209 mil.

O Conselho Curador do FGTS aprovou, ainda, que nos municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes, o aumento do limite do valor do imóvel será de 15%. Entre 20 mil e 50 mil habitantes, de 10%. E nos municípios com menos de 20 mil habitantes não houve alterações. O último reajuste do valor dos imóveis do programa Casa Verde e Amarela aconteceu em fevereiro de 2017.

Publicado em 01/10/2021

Prefeitura de Belém quer regularizar 20 mil imóveis

Regularização fundiária é realizada pelo programa Terra da Gente, com apoio da Cohab Pará

De acordo com o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em Belém mais de 52% dos imóveis estão com o registro fundiário irregular. Em resposta a esta situação, a Prefeitura de Belém, por meio da Companhia de Desenvolvimento e Administração da Área Metropolitana de Belém (Codem), criou, em fevereiro deste ano, o programa de regularização fundiária Terra da Gente. O projeto vem atuando em várias áreas da capital, como nos bairros de Fátima, Jurunas, Bengui, Tapanã, conjunto Carmelândia e no Distrito de Icoaraci.

Segundo a Prefeitura da capital paraense, a meta este ano é regularizar cerca de 4 mil lotes e até o final da gestão, 20 mil. O programa Terra da gente tem parceria com o governo do Estado do Pará, por meio da Companhia de Habitação (Cohab) e Instituto de Terras do Pará (Iterpa).

Publicado em 01/10/2021

Governo do Mato Grosso entrega 104 títulos urbanos em Diamantino

Meta é entregar mais de mil novos títulos

O Governo de Mato Grosso, por meio do Instituto de Terras (Intermat), entregou 104 títulos urbanos aos moradores do Bairro Novo Diamantino. A cerimônia aconteceu em 18 de setembro, justamente no aniversário de 293 anos da cidade de Diamantino, que fica a 181 km de Cuiabá.

“O governador Mauro Mendes e a primeira-dama Virginia Mendes determinaram que estivéssemos aqui no aniversário da cidade para entregar este presente aos moradores residentes no Bairro Novo Diamantino que aguardam há anos por este documento. É um prazer trazer essa alegria, neste importante dia de comemoração”, declarou o presidente do Intermat, Francisco Serafim. "É o melhor presente entregue à nossa população, pois estamos tornado este cidadão proprietário legal da sua residência. Só tenho que agradecer ao Estado que tem realizado todos os esforços para garantir a regularização fundiária aqui e nos demais municípios de Mato Grosso”, completou o Prefeito de Diamantino, Manoel Loureiro.

Segundo o Intermat, todas as etapas do processo regularização foram seguidos, conforme determina a lei. Dos 104 títulos entregues, 14 foram totalmente gratuitos. Segundo o Diretor de Regularização Urbana do Intermat, Robinson Pazzeto, a meta é entregar mais de mil novos títulos em trabalho conjunto com a gestão municipal.

Os bairros com processo de regularização em andamento são: Cohab Serra Azul; (77 títulos), Cohab Nossa Senhora da Conceição Morumbi (51), Jardim Alvorada (51), São Benedito (114), Bairro da Ponte (93), Jardim Primavera (4), Bairro Pedregal (329), Bela Vista (40) e Progresso (350).

Publicado em 01/10/2021

Cohab da Baixada Santista é condenada por poluição de águas marinhas e estuarinas, prejudicando a flora e a fauna locais

Multa chega a quase R$ 800 mil

Quase R$ 800 mil. Este foi o valor que a Companhia de Habitação da Baixada Santista foi condenada a pagar, pela 2ª Câmara Reservada ao Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo, por compensação ao dano ambiental consequente do descarte irregular de esgoto em São Vicente, no litoral paulista. Segundo o TJSP, a ação causou a poluição de águas marinhas e estuarinas, prejudicando a flora e a fauna locais.

A 2ª Câmara Reservada ao Meio Ambiente do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão do Juiz Fernando Eduardo Diegues Diniz, da 4ª Vara Cível de São Vicente, que condenou a Cohab ao pagamento de R$ 793.224,52, para compensação do dano causado por um loteamento implantado sem infraestrutura interna de coleta de esgoto doméstico na Baixada Santista, região do litoral de São Paulo. Por meio de nota, a Cohab afirmou que se trata de fato ocorrido na década de 1990, por desacerto entre a companhia e a empresa responsável pelo ramal de coleta e escoamento no local e que já vem adotando os recursos cabíveis ao caso, visando reverter a situação.

Publicado em 01/10/2021

Cohab-Curitiba leva futuros proprietários de residencial para vistoria final

Presidente da companhia acompanhou a visita pessoalmente

A Companhia de Habitação Popular de Curitiba levou futuros proprietários de imóveis no residencial New Residence, composto por 90 unidades, entre estúdios e apartamentos de um quarto, para uma vistoria final. Segundo a companhia, aos seus inscritos os imóveis foram ofertados por valores menores do que os de mercado (com desconto de R$ 14 mil). Os contemplados também receberam isenção no pagamento do Registro de Imóveis e do ITBI, o que proporcionou economia de mais R$ 8 mil, além da possibilidade de parcelar a entrada em até 24 vezes.

“As parcerias que estabelecemos com a iniciativa privada nos permitem ofertar ótimos imóveis para diferentes perfis entre nossos inscritos. Mesmo com a escassez de investimentos federais, na gestão do Prefeito Rafael Greca entregamos as chaves de novas moradias para mais de duas mil famílias”, disse o Presidente da Cohab-Curitiba, José Lupion Neto, que acompanhou a visita ao novo conjunto. Além dele, também visitaram o empreendimento o diretor técnico da Companhia, Mauro Kugler, e o empreendedor parceiro, Gustavo Medeiros.

O New Residence terá dois elevadores, aquecimento a gás, academia, lavanderia e dois espaços gourmet. As unidades serão entregues com paredes brancas, azulejos nas áreas molhadas, piso em porcelanato no banheiro e esquadrias de alumínio com peitoril em granito. “Os benefícios fiscais e incentivos urbanísticos que oferecemos para as empresas parceiras, viabilizam a produção de uma quantidade maior de unidades em um mesmo terreno”, informou Lupion.

Publicado em 01/10/2021

Ministério do Desenvolvimento Regional cria Secretaria de Fomento e Parcerias com o Setor Privado

Objetivo é modernizar as ações da Pasta, por meio de captação de recursos de novas fontes para implementação de políticas públicas

O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) criou, por meio do Decreto n. 10.773/2021, a nova Secretaria de Fomento e Parcerias com o Setor Privado, cuja função será modernizar as ações da Pasta por meio da captação de recursos de novas fontes para a implementação de políticas públicas. A nova secretaria contará com dois departamentos para auxiliar os trabalhos, um de Instrumentos Financeiros e Inovação e outro de Parcerias com o Setor Privado e Sustentabilidade.

“Essa alteração está sendo feita para adequar a estrutura do MDR à mudança da lógica da carteira de projetos que estamos implementando no Ministério. Uma parte importante disso é a atração de investimentos do setor privado para que possamos fazer com que as políticas públicas atinjam a população. Por isso, estamos ampliando o alcance desse diálogo com a criação da nova secretaria”, disse o Ministro Rogério Marinho.

A Secretaria será comandada por Verônica Sanchez. Formada em Relações Internacionais e mestre em Administração pela Universidade de Brasília (UnB), é servidora pública da carreira de especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental do Ministério da Economia. O decreto também redistribuiu cargos privativos de servidores efetivos. Anteriormente, havia 99 Funções Comissionadas do Poder Executivo (FCPE), o que representava cerca de 22% do total de cargos do Ministério. Agora, esse número saltará para 427 posições, alcançando um total de 69% do efetivo.

O decreto ainda criou novas áreas na estrutura do MDR. O atual Departamento de Obras Hídricas da Secretaria Nacional de Segurança Hídrica (SNSH) passará a se chamar Departamento de Obras Hídricas e Apoio a Estudos sobre Segurança Hídrica. Dentro da cadeia da Secretaria Nacional de Mobilidade e Desenvolvimento Regional e Urbano (SMDRU), será criado o Departamento de Planejamento Integrado e Ações Estratégicas. Já na Secretaria Nacional de Habitação (SNH), será estabelecido o Departamento de Articulação e Planejamento. Por fim, a Secretaria Nacional de Saneamento (SNS) ganhará o Departamento de Cooperação Técnica.

Publicado em 01/10/2021

Casa Verde e Amarela comemora um ano de atividades

Em 12 meses, programa entregou 392.064 moradias para a população de baixa renda

O Programa Casa Verde e Amarela comemorou, em 25 de agosto, um ano de atividades. O Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) aproveitou a data para divulgar um balanço das atividades do programa: desde 26 de agosto de 2020 foram entregues 392.064 moradias no Programa Casa Verde e Amarela, que realizaram o sonho da casa própria de mais de 1,56 milhão de pessoas.

Segundo o MDR, a regularização fundiária, um dos objetivos do programa, enfrenta um problema histórico ao possibilitar o acesso ao título que garante o direito real sobre o lote das famílias. A iniciativa visa, inicialmente, regularizar mais de 100 mil imóveis de famílias de baixa renda, dos quais cerca de 20 mil também receberão obras de adequações para garantir uma moradia digna. De acordo com o ministério, mais de 2 mil municípios em todo o País já aderiram ao programa.

Publicado em 01/10/2021

ABC e FNSHDU abrem inscrições para o Selo do Mérito 2021

As inscrições só podem ser feitas de forma online

Promovida anualmente pela Associação Brasileira de Cohabs e Agentes Públicos de Habitação (ABC) e pelo Fórum Nacional de Secretários de Habitação e Desenvolvimento Urbano (FNSHDU), as inscrições da premiação Selo do Mérito 2021 foram abertas em 13 de setembro. O objetivo do prêmio, segundo os organizadores, é promover, estimular e divulgar projetos relevantes dos estados e municípios no âmbito da habitação de interesse social.

O preenchimento da ficha de inscrição é apenas online, com as informações do projeto e da instituição, além dos arquivos com a apresentação do projeto (PDF ou Power Point), fotos (jpg ou png) e texto jornalístico (.doc) – arquivos nomeados com qualquer tipo de acentuação no título poderão ocasionar um erro de recebimento. O link é: https://form.jotform.com/abcohabs/selo-de-merito-2021.

Segundo a ABC, para participar da premiação os projetos precisam atender as exigências descritas no regulamento de participação, bem como estarem enquadrados em alguma das categorias existentes. São elas: Relevância Social e/ou Urbana; Conjuntos Habitacionais com uso de novas tecnologias ou sistemas alternativos; Projetos, Ações, Planos e Programas voltados para a produção e/ou gestão de HIS; e Grandes intervenções urbanas com impactos regionais (Grandes intervenções urbanas com impactos regionais - Regularização Fundiária - Parceria entre órgãos públicos e com iniciativa privada - Assistência Técnica vinculada a construção em Lotes urbanizados ou outra modalidade de autoconstrução - Revitalização de edificações ou áreas urbanas - Locação Social – construção e/ou gestão de imóveis - Trabalho Social – soluções que visem a sustentabilidade em conjuntos habitacionais - Ações que assegurem maior eficácia no cumprimento dos objetivos da instituição e/ou racionalização de procedimentos e/ou otimização dos custos -  Planos e ações que envolvam o aperfeiçoamento do arcabouço técnico legal com o objetivo de ampliar o atendimento à habitação de interesse social - Conjunto de ações integradas que tornem os projetos habitacionais sustentáveis).

Publicado em 01/10/2021

Governo Federal lançará primeiro Fundo de Investimento Imobiliário (FII) com imóveis da União até o final de 2021

Objetivo é arrecadar até R$ 110 bilhões até dezembro de 2022

O jornal Valor Econômico revelou que o Governo Federal confirmou o lançamento do primeiro fundo de investimento imobiliário (FII) com imóveis da União já no final de 2021. Um projeto-piloto será lançado e o objetivo é arrecadar R$ 110 bilhões até dezembro de 2022 com a venda ou locação de parte dos mais de 50 mil prédios e terrenos públicos.

O projeto-piloto será uma referência para outros fundos desse tipo. “O Valor noticiou em janeiro que o Ministério da Economia projetava um fundo de R$ 15 bilhões. Agora, a pasta afirma que a meta pode ser revista “a depender do apetite do mercado”. Amparado em legislação de 2015, o FII de imóveis públicos federais é promessa antiga do ministro Paulo Guedes. Ainda não há lista fechada dos imóveis a serem integralizados no instrumento, mas a tendência é que haja prédios ou terrenos avaliados em mais de R$ 500 milhões. Uma candidata, por exemplo, é a Rodoferroviária de Brasília, com mais de 400 hectares”, escreveu o jornal.

De acordo com o Secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Diogo Mac Cord, o lançamento acontecerá até o fim deste ano. “Aí conseguimos colocar muitos imóveis de alto valor de uma vez só na praça, porque isso dispersa cotas e todo mundo vai poder comprar nas plataformas, em vez de imóveis complexos que têm liquidez menor”, justificou ele.

Segundo a reportagem, “a intenção é que esse primeiro FII seja lançado com dois cotistas: a União, que participará por meio do Tesouro Nacional, e um administrador privado, a ser escolhido via licitação. Os fundos subsequentes, segundo a equipe econômica, poderão contar com a administração da Caixa e do Banco do Brasil, o que dispensaria licitação. Para o fundo a ser lançado neste ano, a gestora que vencer o certame terá de fazer um aporte inicial a ser convertido em cotas e alinhar interesses. Pelas regras da Comissão de Valores Imobiliários (CVM), as cotas do administrador não dão direito a voto em assembleia. Uma vez constituído, o fundo deve operar como um FII tradicional, admitindo novos sócios por meio da emissão de cotas ou da venda das cotas da União no mercado secundário. A gestora poderá desenvolver teses de investimentos como venda, aluguel ou integralização em outros fundos. Ainda não há detalhes sobre as condições da licitação, que, além do aporte inicial, pode considerar a taxa de administração aplicada sobre a receita corrente líquida (RCL) do fundo ou do patrimônio integralizado”.

Publicado em 01/10/2021

Governo do Paraná libera novo lote do Casa Fácil

Serão beneficiadas 689 famílias, com a liberação de R$ 10,3 milhões para esta etapa do programa

O Governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior assinou, em 13 de setembro, a homologação do segundo lote de empreendimentos da nova modalidade do Casa Fácil Paraná, programa que concede subsídios de R$ 15 mil a famílias que comprarem imóveis financiados pela Caixa Econômica Federal. Os recursos a serem liberados chegam a R$ 10,3 milhões para esta etapa e beneficiarão 689 famílias, que terão acesso à casa própria.

“Hoje liberamos mais um lote do Casa Fácil, o maior programa de facilitação de casas próprias do Brasil. É um programa inédito, que está fazendo uma revolução na construção civil do Paraná. Com ele, o governo libera R$ 15 mil para cada família para conseguir o financiamento na Caixa Econômica Federal. Além da realização do sonho da casa própria, esse investimento também movimenta a geração de empregos em muitos municípios”, disse o Governador, ao assinar a homologação.

Segundo a Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), as obras serão executadas por construtoras cujos projetos foram aprovados pela Caixa Econômica Federal no programa Casa Verde e Amarela, e homologados para a concessão dos benefícios estaduais. Esses projetos somam 1.030 novas unidades habitacionais em todo o Estado, e R$ 151,7 milhões em investimentos pelas construtoras. Somada à primeira etapa anunciada em agosto, já são 3.060 casas subsidiadas com recursos estaduais, com investimentos de R$ 45 milhões. Os números representam cerca de 10% da meta do programa, que deverá atender 30 mil famílias paranaenses.

“Na próxima semana teremos mais um lote de cidades contempladas, e assim vamos ampliando o número de municípios que fazem parte do programa. Dessa forma, avançamos rumo ao número final, que prevê 30 mil unidades habitacionais para as famílias que têm a necessidade da ajuda do Governo do Estado para fazer um financiamento e garantir sua entrada”, afirmou o Presidente da Cohapar, Jorge Lange.

Os novos empreendimentos serão construídos em 12 municípios: Bituruna, Campo Mourão, Cantagalo, Castro, Dois Vizinhos, Curitiba, Fazenda Rio Grande, Itapejara d'Oeste, Missal, Pinhais, Quatro Pontes e São João do Triunfo. Segundo a Cohapar, o principal objetivo do programa é auxiliar na redução do deficit habitacional do Estado, que atualmente é de 322 mil casas, de acordo com o Plano Estadual de Habitação de Interesse Social (PEHIS), realizado pela companhia.

Publicado em 01/10/2021

Banco Inter faz acordo para adquirir 100% de fintech norte-americana

O valor da operação, que aguarda aprovação regulatória, não foi revelado

O banco Inter agora vai competir no difícil mercado norte-americano. A instituição anunciou no final de agosto a assinatura de um acordo para aquisição de 100% da Usend, empresa dos Estados Unidos especializada na oferta de serviços financeiros e não-financeiros. O sinal verde para a operação ainda depende de aprovações regulatórias e poderá posicionar o banco Inter como mais um player entre as fintechs que lideram o mercado norte-americano. No Brasil, o Inter já contabiliza 13 milhões de clientes.

Segundo o Inter, a Usend conta com uma solução digital para remessa de dinheiro entre países, com licença de instituição financeira em mais de 40 estados norte-americanos e que já conta com mais de 150 mil clientes. A empresa também opera no mercado de cartão de débito, gift cards, recarga de celulares e deve lançar até o fim do ano sua plataforma de investimentos e seguros, além de cartão de crédito.

A ideia do Inter é desenvolver a plataforma, com oferta de produtos financeiros e não financeiros, mas também investir em marketing on-line, alavancando a base de clientes, e acelerando a captura de share dentro do mercado americano, o maior do mundo. O banco não revelou o valor da transação.

Publicado em 01/10/2021

Sócio da Loft diz que já há transações imobiliárias 100% digitais

Segundo ele, a grande mudança, porém, é a forma como se busca um imóvel

Em uma entrevista exclusiva ao jornal Folha de São Paulo, o empresário húngaro Mate Pencz, um dos fundadores da Loft, disse que “já temos transações 100% digitais, sem ninguém visitar nenhum imóvel, acontecendo o tempo todo. Muitas vezes esse imóvel é para investimento. A pessoa acha que está no preço certo e compra”. Segundo ele, “a maioria ainda não quer fazer dessa forma. A grande mudança de hábito consolidada está na forma como se busca o apartamento. Agora, depois de fazer a pesquisa, que já existia nos classificados online, o cliente faz um tour virtual, vê a planta, verifica a documentação online. A seguir, em vez de visitar oito apartamentos em um sábado ou domingo, ele vai com muito mais intencionalidade em apenas um ou dois apartamentos, que são os finalistas. Agenda visita com corretor e vai até lá em menos de duas horas. Feita a proposta, você continua, na maioria dos casos, no fluxo online. Mesma coisa com financiamento. Se o nosso cliente optar por financiar, mostramos propostas de bancos parceiros nossos”.

Pencz disse à Folha que “os consumidores estão cada vez mais dispostos a fazer compras de valores altos pela internet, inclusive dos apartamentos vendidos por sua companhia; existe capital abundante para negócios de tecnologia e muita gente querendo trabalhar nessas empresas. Era muito difícil encontrar alguém louco o suficiente para trabalhar como funcionário de startup. Hoje isso mudou. Temos o luxo de escolher entre muitos talentos altamente capacitados”.

O empresário disse que “estamos vivendo um momento inédito em todo o ecossistema de startups. Mas, em proptechs, estamos vivendo tempos inauditos. Penso a Loft como uma empresa de e-commerce. Ela permite comprar e vender um produto que não se comprava online”. Sobre o impacto da pandemia no setor, afirmou ao jornal paulista que “a crise, nesse sentido, teve esse efeito colateral. Pessoas de faixas etárias acostumadas com agências bancárias foram para bancos digitais. Os cartórios se adaptaram ao online. E além dessa prontidão para fazer tudo pelo meio digital, na pandemia houve apreciação muito maior pela casa”.

Questionado sobre o equilíbrio entre a oferta e a demanda de imóveis, afirmou que “em geral, os preços estão subindo levemente. Há uma procura um pouco maior do que a oferta. Tanto no secundário, de usados, como no primário, que acompanhamos, mas não atuamos ativamente. Isso tem a ver com a taxa de juros e com essa reorientação para o home office. É um desafio. Você precisa fazer ajustes em tempo real, conseguir o estoque certo no preço certo”. Também revelou que ainda não sentiu o impacto da alta dos juros no setor. “Até agora não sentimos impacto grande. Ainda estamos em patamares muito inferiores ao que tivemos em anos anteriores. Vamos ver com o tempo como o mercado se comporta. Mas penso que, mais do que essa oscilação dos juros, tem uma mudança cultural importante acontecendo, das pessoas enxergando que o financiamento imobiliário é o mais barato que se pode tomar”.

Publicado em 01/10/2021

Banco Central publica resolução ampliando escopo mínimo de dados da fase 4 do Open Banking

A fase 4 do Open Banking se inicia em 15 de dezembro

O Banco Central publicou, em 10 de setembro, a Resolução Nº 138, na qual amplia o escopo mínimo de dados para a Fase 4 do Open Banking. A quarta etapa está prevista para se iniciar em 15 de dezembro, abrange dados sobre câmbio, serviço de credenciamento, investimento, seguros e previdência, e a partir de então as instituições financeiras participantes devem tornar públicas as informações sobre os produtos e serviços que disponibilizam relacionados ao escopo divulgado. São eles: Certificado de Depósito Bancário  (CDB); Recibo de Depósito Bancário (RDB); Letras de Crédito Imobiliário (LCI); Letras de Crédito do Agronegócio (LCA); cotas de fundos de investimento; títulos públicos federais disponibilizados pelo Tesouro Direto;  ações; cotas de fundos de índices listados em bolsa de valores; debêntures; Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI); e Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA).

Com relação a operações de câmbio, fazem parte os seguintes dados: valor Efetivo Total (VET) e taxa de câmbio. Os dados referentes a credenciamento, por sua vez, abrangerão tarifas e taxas de serviço. Os dados referentes a seguros e previdência complementar aberta seguirão o escopo definido pela Superintendência de Seguros Privados (Susep). Segundo o Banco Central, a partir da fase 4, o Open Banking inicia o compartilhamento de um conjunto de informação além de produtos e serviços bancários tradicionais, o que marca o início de sua migração para Open Finance.

Publicado em 01/10/2021

Governo Federal cria programa habitacional próprio para profissionais de segurança pública

Habite Seguro já está disponível para profissionais de segurança pública que ganham até R$ 7 mil e não sejam proprietários de algum imóvel

O Presidente Jair Bolsonaro assinou, em 13 de setembro, uma medida provisória criando o Habite Seguro - o Programa Nacional de Apoio à Aquisição de Habitação para Profissionais da Segurança Pública, que oferecerá condições especiais para a compra da casa própria por policiais, bombeiros, agentes penitenciários e integrantes das guardas municipais de todo o país. No primeiro ano do programa serão destinados R$ 100 milhões, provenientes do Fundo Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça.

O Habite Seguro financiará imóveis novos e usados para profissionais de segurança pública que tenham renda mensal de até R$ 7 mil e que não sejam proprietários de algum imóvel. O objetivo é beneficiar, em cinco anos, 629 mil profissionais. Pensionistas dependentes desses funcionários também poderão ser beneficiados.

A Caixa será o agente operador do programa, mas também poderão se habilitar outras instituições financeiras. O programa já está disponível desde o primeiro dia de novembro e o subsídio para a entrada é de R$ 12 mil. Interessados devem comprovar vínculo empregatício com algum órgão de segurança pública, com experiência de três anos, no mínimo.

Publicado em 01/10/2021

Governo do Distrito Federal lança fundo de investimento imobiliário para captar até R$ 6 bilhões

Objetivo é deslanchar o Parque Tecnológico, um projeto original de 2001

O Governo do Distrito Federal lançou, em 22 de setembro, um fundo imobiliário para tentar captar entre R$ 1 bilhão e R$ 5 bilhões, além de R$ 1 bilhão pelo valor do terreno de 1 milhão de metros quadrados situado próximo à Granja do Torto, uma das residências oficiais da Presidência da República na capital. O objetivo é deslanchar seu Parque Tecnológico, e esse projeto é original de 2001.

O Fundo de Investimento Imobiliário Biotic foi lançado em uma cerimônia em São Paulo, onde se localiza a Integral Brei, empresa escolhida para ser a gestora desse FII. “Esse projeto vai dar rentabilidade para os empresários e investidores, e é um projeto seguro”, garante o Governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha. O Parque Tecnológico pretende abrir 794 empresas e gerar 7,6 mil empregos, além de 2 mil estações de coworking. Segundo o Governo do Distrito Federal serão construídas habitações para abrigar 9,5 mil pessoas que poderão morar dentro do Parque Tecnológico.

Publicado em 01/10/2021

Cadastre-se e receba noticias no seu email
Nome*: Email*: Empresa:
* campos de preenchimento obrigatório
voltar